segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Vinte anos até a independência financeira

Passei os últimos 20 anos trabalhando ininterruptamente. Tudo começou como uma brincadeira que foi ficando séria mas nunca pensei em ter uma semi-aposentadoria ou mesmo aposentadoria precoce. Sempre trabalhei por prazer, porém nos últimos 4 anos comecei a refletir sobre até quanto seguiria num ritmo frenético.

Sempre gostei de praia e estou a muitos anos afastado dela. Nasci em uma cidade do litoral e quando adolescente me mudei para uma grande capital brasileira por causa dos meus pais. Eles sempre foram de classe média e tiveram condições de me dar uma boa educação e prover tudo que precisava. Uma mudança nessa idade para uma cidade diferente favoreceu minha introspecção e com isso dediquei muitas tardes a internet e ao que sempre gostei de fazer que era vender.

Meu desejo nunca foi deixar de trabalhar, mas não ser escravo do trabalho para sustentar minha vida. Sempre me incomodou a idéia de ter um emprego e trocar tempo por dinheiro. Esse vídeo do ex-presidente do Uruguai foi uma dos vários “inputs” que me influenciaram:


Durante minha infância pedia para para que meus pais comprassem sorvete e isopor para vender na praia. Sentia uma grande satisfação na ligação com as pessoas e essa relação de consumo mesmo sendo uma criança tímida. Na escola levava empadas e sempre voltava com os bolsos cheios e o pote vazio pronto para o dia seguinte.

Desde que comecei a trabalhar com 17 anos e montei minha empresa foi por pura diversão e sem nenhuma obrigação de ter que me sustentar, já que nessa idade morava com meus pais e apenas estudava. Não fazia ideia de que todas aquelas brincadeiras de criança seriam uma grande escola no futuro. A cada dia a brincadeira ia se tornando mais séria e as vendas cresceram organicamente. Comecei tudo errado... Nenhum planejamento, ocupei um cômodo da casa dos meus pais e contratei ex-namoradas. Me recordo que em uma ocasião chegou a trabalhar a ex e a atual no mesmo ambiente e é óbvio que foi uma catástrofe.

Sempre fui um cara que gastava todo dinheiro comprando eletrônicos, roupas, sapatos, relógios e todo tipo de “coisa” que o dinheiro conseguia comprar. De uns tempos para cá comecei a estudar finanças pessoais, entender a importância de poupar e de que não é apenas colocar o dinheiro na poupança ou ouvir conselhos do gerente do banco (senão estaria com minha previdência privada até hoje esperando para me aposentar com 65 anos). Além disso passei a observar a importância de ter uma vida mais frugal e de que a felicidade não está em “coisas”.

A partir de 2013 comecei a planejar como seria ter uma experiência de viver de renda e de lá pra cá foram praticamente todos os dias pensando em poupar, ganhar mais e investir. Nesse período já tinha conquistado meu apartamento e possuía algum dinheiro guardado. Meu planejamento inicial era atingir a “IF” com 40 anos e felizmente as coisas caminharam bem, conseguindo largar tudo pro alto antes disso. Fiquei em um conflito para encontrar o “número mágico” e isso me levou a contratar um advisor que me acompanhou durante 12 meses. Sempre íamos fazendo projeções para me certificar de daria o passo certo e que qualquer trabalho daqui para frente seria por opção.

Vendi minha participação societária e passei a não ter mais sócios, funcionários, trabalho, angústia e dores de cabeça. Abri mão de status, um pró labore bastante significativo, plano de saúde, academia de primeira linha, conta de celular pago pela empresa, escritório em um dos endereços mais cobiçados da cidade, seguro de vida, e tudo que a maioria das pessoas buscam e chamam de “sucesso profissional”. Me arrependi pelo menos umas 100 vezes, porém tive certeza de que esse era o melhor caminho outras 200!

Ironicamente não estava feliz. Me sentia em uma “prisão perfeita” onde tudo estava encaixado e a rotina consumia toda minha motivação para continuar seguindo. Comecei a perceber que não estava sendo produtivo e precisava me posicionar.

Então em 2017 conversei com meus sócios e sinalizei meu desejo de seguir outros caminhos. Claro que do lado de cá eu já tinha encontrado um número que me deixaria confortável para tomar essa decisão. Daqui para frente não penso em parar de trabalhar e ter uma renda ativa, mas quero experimentar ficar 1 ano sabático e sentir a liberdade que a “IF” pode proporcionar.

Muitos devem pensar só no lado bom da aposentadoria, principalmente sendo precoce. Aproveitar para viajar o mundo e gastar dinheiro se divertindo. Mas na prática não é bem assim. Quando precisamos viver com a renda dos investimentos tendemos a nos tornar menos irresponsáveis com o dinheiro. Passamos a olhar o preço dos produtos na gôndola do supermercado e escolhemos bem o preço do almoço para não ultrapassar o budget.

Agora em novembro de 2017 paguei meu primeiro “salário” baseado na minha TSR de 3,5%. Esse cenário é suficiente para eu manter uma boa qualidade de vida em qualquer lugar no país sem comprometer itens de conforto como lazer, viagem e esporte e me considerar um cidadão de classe média.

Criei uma planilha de gestão financeira pessoal que vai me ajudar no dia a dia (espero compartilhar futuramente) onde separo os gastos “Essenciais”, “Importantes” e o que chamo de “Lifestyle”, que tem um grande impacto na qualidade de vida.

Estou tendo que aprender diversas lições e talvez a mais importante seja administrar a minha própria vida. Acredito que muitas pessoas como eu dedicaram grande parte das suas horas ao trabalho e acabam sendo irresponsáveis consigo mesmas, principalmente em relação a saúde. Muitas vezes abdicamos do nosso presente em favor do futuro.


Não consegui deixar completamente a ideia de ter alguma renda ativa ou empreender novamente em breve, mas estou me policiando para planejar 2018 e me dedicar mais a coisas que me fazem bem e que negligenciei ao longo da vida.

_/|\_

12 comentários:

  1. Fala, Oculto!
    Curioso pra ver sua experiência ser aqui neste blog!
    Lendo seu texto vi que tem a mente empreendedora desde muito cedo... essa é uma grande dificuldade pra mim, que sou extremamente conservador. Quem sabe não aprendo alguma coisa com suas histórias, não é?
    Sucesso no site e grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal, espero que possa ter agregado de alguma forma. Algumas pessoas falam que empreender não se aprende e que é um dom. Eu particularmente discordo. Acredito que empreender é algo que você precisa desejar, ser uma espécie de sonho. Um exemplo... Desejar abrir um restaurante. Isso já é 80% e os outros 20% é o planejamento, concorrentes, produto, localização, etc.

      Excluir
  2. Inspiradora a sua história IO. Só para termos uma idéia, essa sua TSR de 3.5%, quanto tá te proporcionando?
    abracos
    AA40

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A idéia é uma retirada fixa mensal de 12k, quase que como um salário. Essa é uma estratégia que estou seguindo para não contar com os ativos investidos e poder ser algo vitalício.

      Excluir
    2. Entendi. Minha meta é bem mais modesta. 7.5K mensal com 2M investidos.

      Excluir
    3. 2mi é uma excelente poupança. Você pretende alcançar em quanto tempo? (ou já está vivendo de renda?). Fazendo as contas, 7,5k am dá 4,5% de TSR. É um pouco mais agressivo mas acredito que o $ bem administrado aqui no Brasil, essa ainda seja uma taxa considerada conservadora.

      Excluir
  3. Em relação ao valor absoluto de retirada mensal isso é bastante relativo né, pois cada pessoa tem uma necessidade. Eu não me considero um cara "barato" pois sou bastante criterioso em relação a tudo que consumo. Além disso moro em uma cidade onde o custo de vida não é dos mais baixos. Eu estou tendo que fazer um "downgrade" no meu lifestyle em relação ao tempo que recebia um salário. É claro que tenho outros ganhos não financeiros que são infinitamente mais valiosos.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. IO,

    Muito boa a história e o texto, espero que continue postando para podermos aprender com a sua experiência.

    Abraços,
    Catador de milho

    ResponderExcluir
  6. Olá IO!

    Parabéns pela IF, é sempre legal ler relatos de quem a atingiu. Assim como o Catador de milho, espero que continue postando para aprendermos com você.

    Eu espero que com 40-45 consiga uma IF de 3k mensais, estou na luta!

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Inglês, sim, tenho algumas coisas que vão acontecendo ao longo dessa experiencia que dá vontade de compartilhar aqui. Escrever se torna um registro do momento e espero também ajudar outras pessoas a se livrarem da corrida dos ratos. Certamente você vai conseguir! Vão haver altos e baixos mas tenha paciência. Considere também uma semi-aposentadoria. A questão não é parar de trabalhar, mas sim fazer o que gosta e escolher a quantidade de horas que você usará para essa finalidade.

      Excluir

Como o filme Clube da Luta pode ajuda-lo em sua jornada financeira

Hoje (re)assisti o filme Clube da Luta de 1999, um clássico e aquele tipo de filme que você pode assisti-lo de duas maneiras: Como um filme ...